LITTERAEXPRESS

LitteraExpress n 657: Comit Manesco Mulher: fortalecimento da equidade de gnero no ambiente de trabalho



15 de Janeiro de 2019



Em 2016, no âmbito do escritório, um grupo de mulheres organizou-se a partir do seguinte questionamento: "há diferenças de gênero no tratamento recebido pelos profissionais no ambiente de trabalho?"

A partir dessas inquietações e de posteriores investigações, formou-se o CMM, Comitê Manesco Mulher. O Comitê contava com integrantes de todas as áreas do escritório e de todas as filiais.

No final de 2018, a iniciativa concretizou-se como um Comitê permanente, com ações voltadas à equidade de gênero e ao empoderamento feminino. A permanência do Comitê é fruto da relevância das discussões e dos resultados alcançados.

Uma recente conquista foi a adesão do escritório ao ERA Pledge (Equal Representation in Arbitration / Igualdade de Representação em Arbitragem). O compromisso, estabelecido por membros da comunidade de arbitragem em 2015, visa aumentar, em igualdade de oportunidades, o número de mulheres nomeadas como árbitros a fim de alcançar uma representação justa, com objetivo de paridade total.

Outros resultado importante, como destacado na semana passada, foi a adesão ao WEP (Women's Empowerment Principles / Princípios de Empoderamento das Mulheres), iniciativa da ONU com considerações para promover a igualdade de gênero expandindo oportunidades comerciais do negócio.

O grupo também discutiu e implementou uma série de outras políticas. Por exemplo: apoio às mulheres no contexto da amamentação e aleitamento; aprimoramento das licenças maternidade e paternidade; flexibilização de horários.

Para 2019, o Comitê tem novos projetos. A cada novo passo dado, confirmamos nosso compromisso com a equidade de gênero no ambiente de trabalho.



Reunião do CMM em dez.2018. Da esq. para dir.: Kelly Ribeiro Félix de Souza, Maís Moreno, Fernanda Esbizaro Rodrigues Rudnik, Marina Fontão Zago, Mariana Magalhães Avelar e Silvia de Souza


 


Notas




Rádio USP


Na última semana, o advogado e professor da USP Marcos Augusto Perez deu entrevista para a jornalista Sandra Capomaccio na Rádio USP. O tema foi as privatizações que devem ser encaminhadas nos próximos anos.

Atualmente o Brasil possui mais de 130 empresas estatais federais. Somando as empresas que pertencem a Estados e municípios, o número passa de 400. Mas, afinal, o Brasil tem realmente um grande número de estatais? Privatizar é bom ou ruim para o país e sua economia?

Segundo Perez, já foi mais normal um grande número de estatais no mundo todo. Nos últimos anos, houve uma série de movimentos de privatização em diferentes regiões e com diferentes intensidades. No Brasil, nos últimos 30 anos, nos acostumamos com um modo específico de participação do Estado no domínio econômico, que deve ser alterado pelo próximo governo.


 



voltar   voltar