LITTERAEXPRESS

LitteraExpress n 640: O humor, o "fake" e o discurso de dio nas eleies



12 de Setembro de 2018


por Marcos Augusto Perez


O STF, em 21 de junho deste ano, decidiu - com rara unanimidade de votos – a Ação Direta de Inconstitucionalidade 4451 (ADI 4451).

A Ação ajuizada pela ABERT (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) visava à declaração de inconstitucionalidade de algumas normas da lei eleitoral (Lei 9.504/1997) que proibiam o uso de trucagem, montagem e outros recursos de áudio ou vídeo que, de qualquer forma, degradassem ou ridicularizassem candidatos, partidos ou coligações, em programas de rádio e de TV, inclusive em programas eleitorais.

A lei, que ainda proibia ainda veicular propaganda política ou difundir opinião favorável ou contrária a candidato, partido, coligação, a seus órgãos ou representantes, ficou conhecida por restringir o humor político, nos meios de comunicação.

O STF julgou procedente o pedido formulado na ADI 4451 para declarar a inconstitucionalidade do art. 45, incisos II e III, bem como, dos §§ 4º e 5º do mesmo artigo, da referida Lei.



O Ministro Celso de Mello afirmou que o riso é sempre uma prática democrática nos regimes políticos livres, sendo expressão de manifestação do pensamento: “O riso deve ser levado a sério e junto ao humor são verdadeiras metáforas da sociedade. São renovadores, esclarecedores e por isso que são temidos pelos detentores do poder", argumentou. O Ministro se declarou, ainda, frontalmente contrário a “qualquer medida que proíba o dissenso”.

O ministro Alexandre de Moraes, relator da ADI, afirmou que os dispositivos, sob o pretexto de garantir a lisura e a igualdade nos pleitos eleitorais, violavam as liberdades de expressão, de imprensa e o direito à informação.

Em importante passagem, Moraes disse que não há na Constituição uma autorização: “para limitar preventivamente o conteúdo do debate público, em razão de uma conjectura sobre os efeitos que certos conteúdos possam vir a ter junto ao público”.

A decisão é realmente muito importante e caminha com segurança pelas trilhas da liberdade de opinião, de crítica, de dissenso, fundamentais para o exercício de uma cidadania ativa em regimes democráticos.

Porém a decisão parece esquecer que estamos em tempos da difusão em massa do discurso de ódio e das chamadas “fake news”. Apesar do Ministro Luiz Fux ter afirmado que “há diferença entre a censura e o problema das fake news”, a decisão aparentemente abre o flanco para a propagação das mesmas e do discurso de ódio, especialmente se considerarmos as possibilidades de trucagem, isto é, de falsificação de vídeos e áudios, fruto do desenvolvimento mais recente das tecnologias da informação e da inteligência artificial.

O fato é que estamos em um mundo novo no terreno das comunicações de massa, mais complexo do que nunca, em que as fronteiras entre o jornalismo, o entretenimento, o humor, a militância política e a difusão do discurso de ódio e intolerância (absolutamente contrademocrático e antilibertário) tornaram-se de difícil reconhecimento, graças a internet e à proliferação das redes ou mídias sociais.

O STF decidiu em tese corretamente, mas decidiu como se estivéssemos no final do século passado.

Não deu ao menos um caminho para que se evite, no futuro, o nascimento da serpente que vem sendo gestada pela difusão do discurso de ódio e das “fake news” nas redes e mídias sociais, temas que, pela sua importância, voltarão à pauta da Corte Suprema no futuro. Esperemos que não seja tarde!!



 


Notas


> A advogada Mariana Magalhães Avelar defendeu sua dissertação de mestrado "Contratualização da Atividade Sancionadora: acordo de leniência no contexto das licitações e contratos", junto ao programa de pós-graduação da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), na última quinta-feira, 30 de agosto. O trabalho, orientado pela Professora Cristiana Fortini, foi aprovado pela comissão julgadora, formada pelos professores Maria Sylvia Zanella di Pietro e Florivaldo Dutra de Araújo.



> No dia 04. set, o sócio Floriano Azevedo Marques Neto, participou como palestrante, no painel sobre “Um novo marco legal de contratações públicas” do VI Congresso Internacional do Instituto Brasileiro de Direito da Construção.


 


LitteraExpress nº 639: Lei das estatais e a adaptação aos municípios
LitteraExpress nº 638: Evento: Segurança Jurídica e Governança Pública na Infraestrutura
LitteraExpress nº 637: A utilização dos TACs pelas Agências Reguladoras Federais: posicionamento do TCU e a nova resolução da ANTT


 



voltar   voltar