clipping
litteraexpress
Newsletter semanal produzida pelo escritório com artigos e informações relevantes.
BUSCA
ÚLTIMAS EDIÇÕES
01 DE JUNHO DE 2020
nº 732
MP 961 flexibiliza contratações administrativas, mas avanços são tímidos
Pixabay
Caio de Souza Loureiro
por Caio de Souza Loureiro

A Medida Provisória 961 trouxe instrumentos específicos de enfrentamento da pandemia da Covid-19 a partir de disposições incidentes sobre licitações e contratos administrativos. Três foram as medidas tomadas:

1. Aumentos dos valores de contratos que permitem dispensa de licitação;
2. Pagamento antecipado nos contratos celebrados durante a pandemia, desde que previstos no edital;
3. Ampliação do Regime Diferenciado das Contratações (RDC) para todas as licitações.

Para além de má-técnica legislativa, a MP traduz avanços muito tímidos e, em alguns casos, cuja eficácia é questionável.

Medidas
O aumento do valor máximo contratual que autoriza dispensar a licitação, por exemplo, é menos relevante do que a ampliação das hipóteses de contratação direta trazidas com a Lei nº 13.979/2020. Além disso, não se sabe qual a serventia do aumento desse valor, que, de resto, ainda continua irrisório e pode não fazer frente a uma série de contratações úteis ao enfrentamento da pandemia.

À inocuidade da medida, junta-se o risco de abuso da contratação direta, já que contratações sem qualquer relevância para o combate à Covid-19 podem ser feitas sem licitação prévia, abrindo a porta para eventual direcionamento para determinado particular.

Da mesma forma, o RDC, por si só, não traduz nenhum avanço à contratação, pois as grandes diferenças entre esse regime e o regime geral estão na disciplina para grandes contratos, especialmente os de obras e serviços de engenharia. De modo geral, conquanto não se negue a relevância dessa espécie de contrato para a disponibilização de novos leitos, boa parte das contratações emergenciais ensejadas pela Covid-19 são de fornecimento de bens e equipamentos ou prestação de serviços, espécies para as quais o RDC não traz grandes inovações ao regime geral.

Análise
Por fim, a possibilidade de pagamentos antecipados – com as garantias previstas na MP – é a medida mais útil, pois permite melhor arranjo econômico-financeiro para a prestação ou fornecimento mais céleres. Ainda assim, restringir essa possibilidade apenas aos novos contratos esvazia a utilidade do instrumento. A uma, pois os contratos em vigor sofrem mais diretamente com falta de recursos e o aumento dos custos e despesas de execução e, portanto, poderiam se aproveitar melhor dessa medida. A duas, porque os contratos novos já poderiam ser modelados de maneira mais eficiente, prevendo-se outros instrumentos de proteção e de eficiência na remuneração, sem necessariamente prever a antecipação de pagamentos.

A MP 961 é, pois, mais uma oportunidade perdida na tentativa de tornar a contratação administrativa mais eficiente, em tempos excepcionais como o que enfrentamos. Perde-se em previsões muito mais voltadas às novas licitações, com pouco zelo na disciplina dos contratos, atuais e futuros. Ao menos, a possibilidade de pagamentos antecipados, se bem manejada, pode trazer algum avanço.

Cuidados nas contratações emergenciais durante a pandemia
Pixabay
Lucas Cherem de Camargo Rodrigues
por Lucas Cherem de Camargo Rodrigues
Tiago Francisco da Silva
por Tiago Francisco da Silva

A Lei 13.979/2020 trouxe normas que visam desburocratizar as contratações necessárias ao combate à pandemia da Covid-19. Entretanto, há requisitos formais que exigem a atenção dos particulares contratados. O desencadeamento de inúmeras operações no país, com o fim de apurar irregularidades na compra de aparelhos médicos é um exemplo de que, apesar da situação de calamidade provocada pela pandemia, haverá um escrutínio de legalidade dessas contratações pelos órgãos de controle.

Sendo a crise superada, as dificuldades enfrentadas pelos gestores podem não ser lembradas pelo poder fiscalizador. Não é incomum que contratações emergenciais sejam posteriormente questionadas. Nesses casos, gestores e empresas contratadas se tornam réus em ações de improbidade que se desenrolam por muitos anos depois dos fatos.

Portanto, é recomendado o máximo de cautela nas contratações emergenciais.

Recomendações
A primeira recomendação ao contratado é manter cópia do processo administrativo e de toda a documentação que comprove a contratação e a prestação de serviço. Essa documentação deve ser conservada para sempre, tendo em vista a imprescritibilidade da pretensão para o ressarcimento de danos ao erário decorrente de ação dolosa de improbidade administrativa.

Situações excepcionais devem ser formalizadas de forma a manter a publicidade e transparência dos contratos. Essa obrigação legal também representa segurança ao contratado.

Em relação aos pagamentos, é essencial que o particular mantenha registro da formação de seus preços, detalhando os itens formadores do preço.

Observadas as regularidades formais e adotadas cautelas adicionais indicadas, o particular pode se valer do procedimento de contratação por dispensa e não ter problemas no futuro.

A retomada no pós-pandemia
Imagem do Valor Econômico

O jornal Valor Econômico publicou, em 28.mai.2020, em sua edição on-line e impressa, o artigo "A retomada no pós-pandemia", assinado pelo advogado Marcos Augusto Perez e por Gabriel Galípolo, presidente do Banco Fator.

Os autores defendem a necessidade de estabelecer uma agenda clara para a retomada do crescimento econômico após o período de pandemia da Covid-19.

"Esta agenda depende de um manejo sobre o papel do Estado na economia e ainda não está na mesa. Precisamos discuti-la com o mesmo sentido de urgência e solidariedade social com o qual tentamos comprar ventiladores, EPIs e combater o vírus."

Webinar sobre o orçamento de guerra

A Universidade Manesco, programa interno de aperfeiçoamento dos profissionais do escritório, convida a todos para participarem do Webinar "Orçamento de Guerra", que será realizado na próxima quarta-feira, dia 03.jun, às 10h. Os palestrantes serão: Wladimir Antonio Ribeiro (Manesco), Marcos Augusto Perez (Manesco) e Gabriel Galípolo (Banco Fator).

As inscrições devem ser feitas por meio do formulário no seguinte link: https://bit.ly/3c9UgN4 

O envio do endereço para participação do webinar será feito um dia antes do evento, através do e-mail cadastrado no formulário acima.

Liberdade de imprensa e segurança de jornalistas

O advogado Floriano de Azevedo Marques Neto, juntamente com o presidente da OAB Nacional, Felipe Santa Cruz, e com o presidente da Associação Brasileira de Jornalistas (Abraji), Marcelo Träsel, abriu o seminário virtual "Liberdade de imprensa: justiça e segurança dos jornalistas", que aconteceu em 27.mai.2020, às 9h30.

O evento debateu medidas legais para jornalistas vítimas de ameaças e assédio virtuais e contou com a participação dos Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, do Procurador-Geral da República, Augusto Aras, e da repórter da Folha de S.Paulo, Patrícia Campos Mello.

Rádio USP: Veremos mais um processo de impeachment?

Em sua coluna semanal no programa “Olhar da Cidadania”, o advogado Marcos Augusto Perez questiona se há a possibilidade de um novo processo de impeachment de um presidente brasileiro.

O programa "Olhar da Cidadania" é apresentado pelo jornalista Joel Scala e é transmitido todas às quartas-feiras, na Rádio USP, às 17h, e tem produção da organização Observatório do Terceiro Setor. O Olhar da Cidadania também está disponível como podcast no Spotify e no Google Podcasts.

Notas

Os advogados Caio de Souza Loureiro e Raul Felipe Borelli foram professores no curso “PPP War Room”, em 28.mai.2020. Eles abordaram os possíveis impactos da PL 2.139/2020, que propõe um regime jurídico emergencial para os contratos públicos, nas concessões e PPPs. Fechado apenas para assinantes, o curso foi organizado pela MBA PPP e Concessões e a Hiria, em parceria com a RedePPP e a Agência iNFRA.

O advogado Hendrick Pinheiro é um dos palestrantes na “Webjornada Acadêmica de Direito Tributário”, organizada pela UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. O evento será dividido em dois painéis: “Transação tributária e mediação como mecanismos alternativos”, em 02.jun.2020 e “Perspectivas do processo administrativo tributário”, em 03.jun.2020. As inscrições estão abertas e são feitas pelo e-mail ufmsgrupo@gmail.com.

Regulação extraordinária relacionada à Covid-19

A equipe da Manesco acompanha diariamente a publicação de atos normativos, de diferentes esferas federativas, relacionados à pandemia da Covid-19. Veja mais um complemento dessa pesquisa, que pode ser acompanhada na íntegra por meio deste link.

Leia também

LitteraExpress nº 731. Medidas colaborativas podem solucionar problemas contratuais
LitteraExpress nº 730. O Saneamento básico é serviço essencial
LitteraExpress nº 729. Covid-19 em fim de mandato: quem socorre o prefeito?

Manesco São Paulo
São Paulo
+ 55 11 3068.4700

Ed. Santa Catarina
Av. Paulista, 287,
7° andar
01311-000, São Paulo, SP Brasil
Manesco Brasília
Brasília
+ 55 61 3223.7895

Ed. Terra Brasilis
SAUS, Quadra 1, Bloco N,
sala 509 - 5º andar
70070-941 Brasília, DF Brasil
Manesco Belo Horizonte
Belo Horizonte
+ 55 31 3582.0285

Ed. Libertas
Rua Sergipe, 925,
salas 801 e 802, Bairro Funcionários
30130-171 Belo Horizonte, MG Brasil
Manesco Rio de Janeiro
Rio de Janeiro
+ 55 21 2263.6041

RB1
Avenida Rio Branco, 01,
sala 2006, Centro
20090-003, Rio de Janeiro, RJ