clipping
litteraexpress
Newsletter semanal produzida pelo escritório com artigos e informações relevantes.
BUSCA
ÚLTIMAS EDIÇÕES
16 DE JUNHO DE 2019
nº 678
por Tatiana Matiello Cymbalista



(Foto: Pixabay)

Pode parecer mentira, mas há dinheiro sobrando para o financiamento de projetos verdes de infraestrutura. É o que dizem investidores que têm mandato específico para alocar recursos em projetos com essa característica, e que têm enfrentado grande dificuldade em encontrar projetos que cumpram todos os requisitos de elegibilidade para acessar estes recursos

Esta foi uma das constatações do painel “Values, mission & social and environmentally-friendly infrastructure? - Distant dream, empty speech or real commitment?”, no evento "Infra Latin America GRI 2019", em Nova York, EUA. Organizado pelo GRI Club, o evento reuniu mais de 250 líderes do setor privado e autoridades governamentais da América Latina que atuam no setor da infraestrutura. O painel, do qual participou como co-chair a sócia Tatiana Matiello Cymbalista, discutiu exatamente até que ponto os imperativos de sustentabilidade social e ambiental, assim como os decorrentes de mudanças climáticas, vêm sendo introduzidos e observados nos projetos de infraestrutura no Brasil.

Dinheiro parece não faltar. Falando especificamente dos investimentos verdes, ou seja, aqueles que propiciam mitigação das alterações climáticas ou adaptação aos seus efeitos (resiliência), a estimativa de recursos para projetos dessa natureza no mundo ultrapassa US$ 1,45 trilhões em títulos verdes (green bonds), segundo a Climate Bonds Initiative. No Brasil, só a The Brazil Green Finance Initiative (BGFI) congrega investidores e gestores de recursos que representam mais de US$ 3,5 trilhões em seu portfolio de investimentos, incluindo UBS, Natixis, Bradesco Seguros, SulAmerica Investimentos e Vinci Partners.

 

Barreiras

Atualmente, o primeiro - e maior – obstáculo para o financiamento verde é o desconhecimento quanto à existência desses recursos e dos requisitos necessários para acessá-los. No setor da infraestrutura, enquadram-se nessa classificação de investimentos verdes, além dos óbvios projetos de geração de energia renovável ou a partir de biomassa, projetos de eficiência energética, de prevenção ou controle de poluição, manejo de resíduos sólidos, gestão sustentável de recursos naturais, transporte limpo, saneamento básico, sistemas de alerta de enchentes e demais sistemas de suporte de informações e edifícios verdes, entre outros.

Esses entraves parecem estar sendo paulatinamente vencidos.

Entidades como Febraban e BNDES têm divulgado diretrizes e guias para o enquadramento de projetos de infraestrutura como investimento verde, assim como normas para a emissão de títulos verdes. Ainda assim, em geral cada projeto pressupõe uma análise detida e decisões conscientes no momento de sua estruturação.

Mudanças climáticas

Além disso, a mudança climática definitivamente entrou na pauta da financiabilidade de projetos: deixou de ser uma questão somente de “boas intenções”, e passou a ser vista sob a perspectiva do risco do negócio. Empreendimentos de longo prazo que não sejam capazes de mitigar mudanças climáticas ou que não considerem seus efeitos tenderão a ter uma vida útil reduzida, ou a envolver reinvestimento massivo no futuro.

Em tempos de dificuldades de financiamento e redução do papel do BNDES, a possibilidade de configurar os projetos para que possam acessar estes recursos é notícia mais do que bem-vinda. O que falta é comunicação, para que os diferentes governos, que estruturam projetos de infraestrutura, tenham acesso às informações necessárias no momento da estruturação.

Mas é fato que, na estruturação de projetos, o que normalmente é visto como uma dificuldade a mais, no que é uma corrida de obstáculos, na verdade pode tornar-se um grande facilitador de viabilidade econômica e financiabilidade do projeto.

(Foto: GRI Club)


A advogada Tatiana Matiello Cymbalista (terceira, da esq. para a dir., de vermelho) durante a roda de discussão “Values, mission & social and environmentally-friendly infrastructure? - Distant dream, empty speech or real commitment?” (foto: arquivo pessoal)

 

Notas

  • Na quinta-feira, 6.jun.2019, o jornal Valor Econômico publicou o artigo "Integridade na contratação pública", de autoria do advogado Caio de Souza Loureiro.
    "Os recentes movimentos de combate à corrupção levaram à busca por melhoria na integridade nas licitações e contratações administrativas. Tenta-se evitar a repetição de ilícitos do passado donde se destacam iniciativas legislativas recentes, que buscam estimular a adoção de programas de integridades por aqueles que contratam com a administração."


  • (Foto: Rodolfo Stuckert/Ag. Camara)
  • O advogado Wladimir Antonio Ribeiro foi um dos participantes do evento "Bandnews Discute - Cidades Inteligentes: Gestão de Resíduos Sólidos", que ocorreu na quarta-feira, 5.jun.2019, em Salvador (BA). Ribeiro falou sobre a política nacional de resíduos sólidos. Ele participou do jornal BandNews FM 1ª edição, que foi transmitida direto do auditório do evento, e de reportagem do Band Cidade.


(Fotos: Erik Salles/Band)

Manesco São Paulo
São Paulo
+ 55 11 3068.4700

Av. Paulista, 287,
7° andar
01311-000, São Paulo, SP Brasil
Manesco Brasília
Brasília
+ 55 61 3223.7895

SAUS, Quadra 1, Bloco N,
sala 509 - 5º andar
70070-941 Brasília, DF Brasil
Manesco Belo Horizonte
Belo Horizonte
+ 55 31 3582.0285

Rua Sergipe, 925,
salas 801 e 802, Bairro Funcionários
30130-171 Belo Horizonte, MG Brasil
Manesco Rio de Janeiro
Rio de Janeiro
+ 55 21 2263.6041

Avenida Rio Branco, 01,
sala 2006, Centro
20090-003, Rio de Janeiro, RJ