clipping
litteraexpress
Weekly Newsletter produced by Manesco law office with articles and relevant information.
SEARCH
LAST EDITIONS
JUNHO, 12 - 2015
nº 515
by Raul Borelli


Atualmente no Brasil podem ser citados como exemplos de estádios cuja administração foi concedida por meio de concessão o Estádio do Maracanã no Rio de Janeiro, a Arena Pernambuco em Recife (Castelão); a Arena das Dunas em Natal; o Mineirão em Belo Horizonte e a Arena Fonte Nova em Salvador.

Tais empreendimentos foram modelados em um momento histórico específico, caracterizado por elevado crescimento econômico e pelo fato de que a participação privada na construção ou reforma dos estádios foi importante para o cumprimento dos cronogramas relacionados à Copa do Mundo FIFA 2014.

Destaca-se ainda, à época, a ausência de uma experiência nacional consistente na gestão privada de arenas multiuso. Especialmente, não era clara como seria a assimilação desse modelo pelos clubes de futebol e federações, principais tomadores de decisão no processo de escolha dos estádios para a realização de jogos.  

O fato é que os cenários então cogitados na construção dessas concessões não se concretizaram plenamente, em função das alterações do contexto econômico. Variações do comportamento de despesas e do fluxo de público ocorreram, também em função das diferentes formas de aceitação do modelo pelos atores envolvidos.

Nesse contexto e, conforme o caso, as mudanças econômicas em questão, a quebra da expectativa quanto à realização de jogos e quanto à estimativa de público nas arenas podem ser consideradas como causas legítimas para a recomposição do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão. É preciso ter em mente ainda que, mesmo em relação a fatos, em tese, previsíveis, o reequilíbrio pode ocorrer, a depender das circunstâncias e disposições contratuais, notadamente quando constatada uma variação do risco em proporção completamente imprevista em relação àquela originalmente considerada.

Diante do exposto, é possível antever no horizonte de vida das concessões de arenas um crescimento significativo dos pedidos de recomposição do equilíbrio contratual. Em caso de disputas, a ampla maioria dos casos certamente será analisada por meio de arbitragens, mecanismo de solução de controvérsias escolhida pela maior parte dos contratos de concessão atualmente em vigor.

Espera-se, nesse sentido, que experiências recentes de recomposição contratual por meio de arbitragem, como o caso que envolveu a Linha 4 (fase 1) do Metrô de São Paulo, possam servir de parâmetro para uma atuação técnica e isenta desses tribunais arbitrais, a fim de que os pedidos relativos às arenas sejam examinados com a neutralidade e cuidado devidos, evitando-se que opiniões políticas ou a indisposição social verificada com a realização da Copa do Mundo possam contaminar a solução das controvérsias.

De fato, a manutenção do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão voltados à gestão das arenas brasileiras configura uma importante medida para assegurar não apenas os direitos dos concessionários, mas também a continuidade na operação dessas infraestruturas e, em última instância, a segurança jurídica dos contratos administrativos de longo prazo.

Manesco São Paulo
São Paulo
+ 55 11 3068.4700

Ed. Santa Catarina
Av. Paulista, 287,
7° andar
01311-000, São Paulo, SP Brasil
Manesco Brasília
Brasília
+ 55 61 3223.7895

Ed. Terra Brasilis
SAUS, Quadra 1, Bloco N,
sala 509 - 5º andar
70070-941 Brasília, DF Brasil
Manesco Belo Horizonte
Belo Horizonte
+ 55 31 3582.0285

Ed. Libertas
Rua Sergipe, 925,
salas 801 e 802, Bairro Funcionários
30130-171 Belo Horizonte, MG Brasil
Manesco Rio de Janeiro
Rio de Janeiro
+ 55 21 2263.6041

RB1
Avenida Rio Branco, 01,
sala 2006, Centro
20090-003, Rio de Janeiro, RJ